Salada de frango surpreendente (com receita para imprimir)

 

Gostas de ser cientista na cozinha? Eu adoro! Às vezes sai uma verdadeira asneira, intragável mas outras vezes sai bastante bom. Foi o que aconteceu desta vez, quando estava sem nozes e tinha uma mini alface e uns restos de frango assado da véspera e resolvi fazer uma salada de frango com tremoços e couve roxa. Não é que ficou muito saborosa?

Os tremoços são uma leguminosa tal como o grão, feijão ou ervilhas e apesar de na maioria das vezes serem usados apenas como petisco tem bastantes benefícios para a nossa saúde, por isso podem ser integrados nas nossas refeições.

Além de ricos em água (teor de cerca de 65%), são muito pouco calóricos e baixos em gorduras. Têm um teor razoável de proteínas e fibras, o que faz deles bastante saciantes. Além disso ainda são conhecidos como melhoradores do trânsito intestinal e redutores do colesterol. Ainda lhes queres chamar marisco dos pobres? Ora experimenta a receita e diz lá que não fica maravilhosa esta salada.

Podes ler o passo a passo aqui em baixo ou fazer o download da receita para imprimires em A4, no botão de download.

download botão

Receita: Salada de frango surpreendente

Categoria: Saladas

Tempo de preparação: 15 min

 

Ingredientes:

1 Alface pequena (mini)

1/4 Couve roxa

Peito de frango assado

Duas mãos cheias de tremoços descascados

1/2 Maçã Granny Smith

1 Chávena de massa laçarotes tricolor (opcional)

1 Colher de sopa de maionese

1 Fatia de queijo Feta (+- 1cm)

 

Preparação:

Lava todos os legumes e arranja-os. Desfia grosseiramente o peito de frango assado. Corta a maçã em bocadinhos e passa-a por algumas gotas de sumo de limão.

Coze os laçarotes e passa-os por água fria. Coloca no fundo do prato.

À parte lamina a alface e a couve-roxa, mistura as duas e coloca por cima dos laçarotes. Em seguida o frango, o feta partido em bocadinhos e a maçã. Adiciona uma colher de maionese e mistura tudo. No topo dispõe os tremoços. Serve imediatamente.

Sobremesa com Quark e Limão

sobremesa quark

Já andava há algum tempo com vontade de usar este queijo. Sempre que passava por ele no supermercado imaginava que devia ser fresquinho, leve e perfeito para uma das sobremesas que gosto de fazer, frescas e nada enjoativas. O queijo Quark é muito pobre em gordura e tem uma textura semelhante ao iogurte grego. É conhecido como produto de excelência para os desportistas porque além de ser nutricionalmente rico (em proteína de absorção lenta), é pobre em hidratos de carbono, o que faz dele um substituto perfeito para as natas, iogurtes e até maionese numa receita mais light e igualmente saborosa.

Então comprei-o e decidi pôr a imaginação a trabalhar e o resultado foi este. Devo dizer que o que fiz, uma vez que já tinha o Lemon curd pronto, foi preparar separadamente o creme de Quark e triturar a bolacha, guardando a num tupperware porque gosto de preparar a taça antes do almoço para manter a base de bolacha bem estaladiça.

 

Base crocante

(triturada na bimby, a gosto na velocidade 3, eu gosto tipo areia grossa)

  • 1/2 pacote de bolachas digestivas de aveia

Camada branca

(bater os dois em conjunto na velocidade 3 por 20 segundos. Se gostar de cremes mais doces pode substituir o açucar na mistura por meia lata de leite condensado)

  • 1 Queijo Quark (250 gr)
  • 2 Iogurtes naturais
  • 50 g de açucar

Topping

(Lemon curd, previamente feito na bimby, que tinha já feito e guardado num frasco (receita abaixo))

  • 160 g açúcar
  • 2 limões, casca (só a parte amarela) e sumo
  • 60 g manteiga
  • 2 ovos

Coloque no copo o açúcar e pulverize 20 seg/vel 9. Adicione as cascas de limão e rale 15 seg/vel 9. Adicione a manteiga, o sumo dos limões e programe 1 min/vel 2. Adicione os ovos e misture 10 seg/vel 4. De seguida programe 7 min/80°C/vel 2. Retire e reserve em frascos esterilizados, no frigorífico. Deixe arrefecer e conserve no frigorífico.

Por fim numa tigela grande ou em taças individuais coloque três camadas pela seguinte ordem: bolacha triturada, camada branca e topping de Lemon curd.

Iogurtes caseiros

Não sou nada extremista em relação à comida, gosto de comer saudável, mas se for necessário recorro a comida processada.
Quando comprei a bimby (foi uma decisão muito ponderada, porque sou bastante “agarrada” ás minhas poupanças) disseram-me que iria poupar imenso e ter a possibilidade de fazer uma série de coisas que normalmente compro (pão, pizzas, gelados) e me sairíam substâncialmente mais baratas, entre elas estavam os iogurtes. Confesso que não levei muito a sério a conversa, mesmo porque assumi que iria dar imenso trabalho. Experimentei uma vez e não sairam nada bons, e nunca mais pensei nisso. Até que comecei a gostar dos iogurtes mais cremosos, e a fartar-me da oferta que existe, que além de cara é carregadissíma de açucar e aditivos artificiais.
Resolvi pesquisar umas receitas, e fazer nova tentativa.  Pelo que li a iogurteira era uma ajuda decisiva no processo de obter um bom iogurte, por isso arrisquei. Comprei a Yogurella da Ariete que me custou 25€, e não me arrependo nem um segundo.
Agora faço regularmente iogurtes e o sabor e a consistência não têm mesmo nada a ver com os de compra, além de ser muito mais saudável.
Lembra-se dos iogurtes Vigor, da embalagem quadrada, de quando eramos pequenos? É assim o sabor dos iogurtes caseiros. Posso usar leite fresco (sempre pasteurizado), e quanto aos sabores o céu é o limite, côco, açucar amarelo, mel, grego, bolacha, é o que eu quiser.
Vou deixar por aqui duas receitas das que faço com mais frequência e algumas dicas para ter melhores resultados.  Tudo isto pode ser feito sem bimby. Depois partilhe comigo se gostou dos iogurtes e a sua opinião sobre este assunto.
Iogurte natural açucarado (açucar amarelo)
  • 1  iogurte natural
  • 8dl de leite
  • 50g de açucar amarelo
  • 4 colheres de sopa de leite em pó (Não use magro, o Nido é muito bom)
Comece por colocar o açucar e dar uns golpes no turbo. De seguida coloque no copo os restantes ingredientes e programe 5 min/50°C/vel 3. Retire para a iogurteira e deixe fermentar de 8 a 12 horas.
Iogurte de côco:
  • 1  iogurte natural
  • 8dl de leite
  • 80g de açúcar
  • 50 gr de côco ralado
  • 4 colheres de sopa de leite em pó (Não use magro, o Nido é muito bom)
Comece por colocar o côco e o açucar e dar uns golpes no turbo. De seguida coloque no copo os restantes ingredientes e programe 5 min/50°C/vel 3. Retire para a iogurteira e deixe fermentar de 8 a 12 horas.
Dicas
  • Adicione sempre leite em pó, melhora muito a consistência do iogurte.
  • Para iogurte grego adicione 100g de natas frescas à receita de iogurte natural.
  • Se quiser um prazo de validade superior, faça iogurte natural e adicione o sabor depois, eu faço-o através de compotas (maçã, frutos do bosque)
  • Os cereais devem ser sempre adicionados após a abertura do iogurte senão ficam moles e sem graça.
  • Para iogurtes mais consistentes use períodos de fermentação superiores (12 horas).
  • Encha os frascos ao máximo, quanto menos oxigénio ficar no frasco melhor será o resultado da fermentação.
  • Se quiser fazer iogurte de baunilha não use essência artificial, é amarga, use natural ou açúcar “abaunilhado”, sem ser de compra. Para fazer o açúcar coloque num frasco uma vagem aberta ao meio com açúcar branco e deixe por 2 meses.

Preparar e congelar comida de bébé

Como diz o pediatra Mário Cordeiro “a diversificação alimentar não pode ser uma escravatura. É bom que os gastem um pouco do seu tempo a preparar a comida dos seus filhos, mas quando ele é escasso é melhor que o use a brincar, ou simplesmente a admirá-los.”
Existem diversos benefícios em confeccionar a comida do seu bébé, e neste caso doseá-la para congelar e disponibilizar doses individuais. Algumas vantagens são:
  • Sabe a sempre o que o bébé está a comer e consegue acompanhar a diversificação alimentar e ir disponibilizando gradualmente os alimentos que o pediatra autoriza (No final disponibilizo a tabela que fiz com as guidelines do pediatra do meu filho).
  • Pode escolher os alimentos mais frescos, saudáveis e em excelentes condições, biológicos e/ou provenientes de animais criados ao ar livre (ovos, aves e outras carnes)
  • Auxilia na diversificação.
  • Deixa o seu filho mais satisfeito, consegue ir criando combinações diferentes de sabores e texturas, sem ter uma alimentação monótona.
  • Permite respeitar as particularidades da alimentação da criança (restrições, intolerâncias)
  • Poupa tempo graças à possibilidade de cozinhar quantidades superiores, poupa dinheiro nas compras.
  • Permite-lhe sentir que está a mimar o seu filho a contribuir para a sua saúde e  bem estar.
Contudo deve ter alguns cuidados na preparação:
  1. Lavar sempre muito bem as mãos, os alimentos que vai confeccionar e os utensílios que utilizar.
  2. Escolha sempre ingredientes de primeira, legumes com boa cor, consistência e brilho. Compre as carnes no Talho e o peixe na peixaria para garantir que não estão embalados à dias. Se não tiver essa possibilidade compre congelado mas de uma marca de confiança. Congele carne/peixe separados da sopa. Verifique se não existem vestígios de gelo no interior da embalagem que indiquem que pode ter sofrido momentos de descongelação até chegar ao supermercado.
  3. Sempre que puder use produtos “baby” como o baby Rice, que são objecto de inspecções e certificações mais rigorosas ao nível da qualidade.
  4. Se for cozinhar para várias refeições proceda da seguinte forma: cozinhe, deixe arrefecer à temperatura ambiente, logo em seguida congele, de preferência em pequenas doses para depois descongelar unicamente para uma ou duas utilizações. Se quiser colocar no frigorífico para depois congelar não o faça por períodos superiores a um dia. Os alimentos perdem propriedades e nutrientes.
  5. Siga as orientações do seu pediatra, e lembre-se que o paladar das crianças se desenvolve na sua maioria nos primeiros dois anos de vida, por isso à medida que for sendo permitido vá disponibilizando a maior variedade de alimentos possível, respeitando a regra dos três dias, para que o seu filho conheça diferentes sabores e não os estranhe no futuro.
  6. Utilize recipientes apropriados, eu sou fã dos mini-tupperwares da avent, de enroscar que podem ser usados para congelação de leite materno e posteriormente para purés e sopas. São fáceis de lavar, podem ser esterilizados, não derramam e incluem não só a escala de quantidade, até 240ml (8fl oz) como linhas para escrever o alimento e a data de confecção.
Este site tem dicas excelentes e receitas muito boas, ajudou-me muito.
O grande livro do bébé do Mario Cordeiro também é um bom investimento para esclarecer dúvidas que vão surgindo sobre este e outros temas, em especial nas páginas cinzentas de Q&A.
As orientações  que o pediatra do meu filho deu foram estas. A mim ajudaram-me bastante, não são verdades absolutas e entendo que outros profissionais poderão seguir orientações diferentes, contudo espero que o/a ajude.

Mousse de Maracujá com bolacha

É das minhas sobremesas preferidas. É leve, saborosa e rápida de fazer. Demora 5 minutos a preparar e após duas horas no frigorífico está pronta.
Ingredientes:

  • 1 lata de polpa de maracujá
  • meio pacote de bolacha Maria
  • 1 lata de leite condensado
  • 4 iogurtes naturais
  • gelatina em pó
Triture meio pacote de bolacha maria com alguns golpes de turbo e reserve (pode usar o 1,2,3). Coloque na Bimby (velocidade 3, 4 min) ou use uma batedeira para misturar os ingredientes na seguinte ordem. Primeiro a polpa de maracujá (Reserve algumas sementes para decorar no final) e o leite condensado, depois os iogurtes.
À parte misture 6 g de gelatina em 1 dl de agua fria para dissolver e depois coloque alguns segundos no microondas. Junte gradualmente a gelatina na mistura enquanto vai batendo.
Por fim cubra o fundo de uma taça com bolacha (1/2), por cima uma camada de mousse, outra de bolacha (1/2) outra de mousse. No topo decore come algumas sementes de maracujá. Vai ao frigorífico por duas horas e está pronto a servir. Simplesmente deliciosa!